O que é cheque especial e como evitar juros altos?

o-que-e-cheque-especial-e-como-evitar-juros-altos.jpeg

 

Você já se perguntou o que é cheque especial? Esse dinheiro é oferecido pelos bancos diretamente na conta-corrente, praticamente como se fosse do próprio cliente.

Como é muito fácil de usar, é um dos tipos de crédito mais populares do Brasil, mas não se engane! A taxa de juros — ou seja, a porcentagem que o banco cobra para você usar essa grana — é muito alta.

Então, vamos descobrir tudo sobre o cheque especial, como ele funciona e qual é o perigo de usá-lo. Além de tudo, se você já está enrolado, vai descobrir boas dicas para sair dessa bola de neve. Vem com a gente!

O que é cheque especial e como funciona?

Imagine que você tenha R$ 2.000 na sua conta bancária, mas quando verifica o saldo percebe que, além desse dinheiro, há R$ 2.000 a mais. Não, o seu dinheiro não se multiplicou: esse valor extra é o limite do cheque especial.

É aí que está a cilada: esse dinheiro, na verdade, não é seu, é do banco. Se você usar todos os seus R$ 2.000 e gastar mais R$ 1.000 do limite extra, o banco cobrará juros em cima desse valor. Afinal, o que é cheque especial senão um empréstimo?

O especial é um crédito pré-aprovado — isso significa que ele fica disponível por iniciativa do próprio banco, sem que o cliente precise pedir. É por isso que ele é extremamente simples de usar: você não precisa ligar para a instituição bancária, ir à agência, assinar contrato, nada. É só sacar o dinheiro e usar.

Por que não usar esse tipo de empréstimo?

Agora que você já sabe o que é cheque especial, talvez esteja com uma pulga atrás da orelha: o que faz dele uma modalidade de empréstimo tão perigosa?

Primeiramente, o seu custo é muito, muito alto.

Segundo o Banco Central, entre os principais bancos do país as taxas variam entre 12-14% ao mês. Pegando o nosso exemplo acima, isso significa que, se você usar R$ 1.000 do especial hoje, daqui a um ano a sua dívida será de cerca de R$ 4.000. Complicado, não?

É por isso que muitas pessoas acabam se tornando escravas do cheque especial. Elas usam esse empréstimo (muitas vezes sem perceber) e, no fim das contas, ele se torna simplesmente impagável.

Como evitar os juros altos?

Agora está claro o porquê de fugir do cheque especial. Porém, a gente sabe que surpresas desagradáveis acontecem e acabam bagunçando as nossas finanças — um aumento na conta de luz, uma doença inesperada. O que fazer nessas situações? Vamos ver!

Tenha uma reserva financeira

Essa é a dica mais importante, especialmente se a sua renda é diferente a cada mês. Tente guardar uma quantia mensal, por menor que seja, para as emergências.

Assim, quando uma situação inesperada acontecer, você não precisará pegar dinheiro com o banco e, por consequência, não pagará juros.

Há alguns investimentos financeiros simples, com baixo risco e com bom retorno (como a poupança e o Tesouro Direto), com os quais você pode contar para que a sua reserva gere um dinheirinho a mais todo mês.

Prefira empréstimos mais baratos

Se a emergência chegou e a sua reserva financeira não conseguiu cobrir os gastos extras, procure modalidades de crédito mais baratas que o cheque especial, como o empréstimo consignado e o pessoal.

O consignado está entre as dívidas mais baratas, já que é descontado diretamente na folha de pagamento de quem pega esse dinheiro. Infelizmente, por esse motivo, ele não é uma opção para profissionais autônomos.

Por outro lado, o empréstimo pessoal não tem essa limitação e, embora seja um pouco mais caro que o consignado, ainda é muito mais barato que o cheque especial: em média, 5% ao mês nos grandes bancos.

Em um momento de emergência, você também pode recorrer ao cartão de crédito, mas com muito cuidado! Se quitar a fatura em dia, você não pagará juro nenhum (isso é ótimo!), mas, se atrasar, o custo é altíssimo. Caso essa seja a sua opção, planeje-se.

Se precisar, use o cheque especial por pouco tempo

Imagine que você esteja numa situação de extrema emergência e o cheque especial é a sua única saída, pois você precisa do dinheiro imediatamente e ainda não tem reserva financeira. O que fazer? Pague a dívida o mais rápido possível.

Nesse tipo de empréstimo, os juros são cobrados por dia, então, quanto antes você zerar o valor devido, menos pagará ao banco.

Alguns bancos oferecem até 10 dias sem juros todo mês. Nesse caso, se você pegar o dinheiro hoje e devolvê-lo dentro dos próximos 10 dias, não pagará nada a mais. Mas lembre-se: o dinheiro precisa ser devolvido no prazo, senão os juros serão contados desde o primeiro dia.

Conheça o custo efetivo total da sua dívida

Tratamos várias vezes de juros, mas há outra informação que deve ser olhada com atenção por você ao pegar dinheiro com o banco: o custo efetivo total (CET).

O CET engloba, como o nome sugere, todos os custos envolvidos em um empréstimo: tarifas, seguros, tributos e a própria taxa de juros. Sendo assim, esse valor (que também é mostrado em forma de porcentagem) ajuda a visualizar quanto você efetivamente vai pagar por aquele dinheiro, com todos os custos envolvidos.

Os bancos são obrigados a fornecer o custo efetivo total. Então, antes de entrar em uma dívida, procure saber!

Eu me enrolei com o cheque especial. E agora?

Se antes de saber exatamente o que é cheque especial você se endividou, mantenha a calma: essa é uma situação pela qual muitos brasileiros passam e não é preciso se desesperar — até porque, nesse caso, ficaria muito difícil encontrar a melhor saída para o seu problema.

Existem algumas boas soluções para se livrar de uma dívida, mesmo que pareça impossível. Vamos descobrir algumas:

Renegocie a dívida com a instituição

Uma boa conversa ajuda muito. Então, procure o seu banco, diga que o empréstimo se tornou impagável e mostre que você está disposto a renegociá-lo.

Não tenha vergonha, isso é muito comum e também é bom para o banco. Afinal, para ele, é melhor receber um valor menor do que nada, certo?

Entretanto, fique sempre atento! Não assine uma renegociação sem antes ter certeza de que ela é vantajosa (ou seja, de que a dívida não ficará maior do que já é) e de que você terá capacidade financeira para cumprir a renegociação.

Troque o cheque especial por uma dívida mais barata

Você já conhece algumas modalidades de crédito com juros menores. Se está enrolado com o especial, que tal pegar um desses empréstimos mais em conta e usar esse dinheiro para zerar a dívida mais cara?

Ao fazer isso, você estará literalmente trocando uma despesa mais cara por uma mais econômica — é muito melhor pagar 5% ao mês em um empréstimo pessoal do que 14% no cheque especial.

Corte todos os gastos possíveis

Não tem jeito: para acabar com dívidas do cheque especial você terá que fazer sacrifícios. Comece listando todos os seus gastos e veja o que é possível cortar — TV a cabo, saídas para jantar fora, passeios no fim de semana.

Sim, nós sabemos como é difícil abrir mão desses gastos que aumentam o nosso conforto e prazer. Mas tenha em mente que essa é uma situação temporária e logo você voltará a ter uma vida mais tranquila. Para isso, lembre-se: é importante investir em sua educação financeira, ou seja, aprender a organizar melhor as suas contas.

Se algum amigo ou familiar perguntar sobre cheque especial, você já saberá responder! Mais do que isso: agora você conhece os motivos que fazem essa dívida ser tão perigosa — principalmente o custo altíssimo pela facilidade de uso que pode se tornar uma armadilha.

Com todas as informações que descobriu sobre o que é cheque especial, você tem tudo para evitar essa cilada. Aproveite esses novos conhecimentos no seu dia a dia!

Você já precisou usar o cheque especial? Que tal contar para a gente como foi essa história? Escreva nos comentários, estamos curiosos para saber!

Gerar boleto

Esteja sempre bem informado sem pagar nada!

Cadastre-se e receba um e-mail semanal com as últimas novidades do blog.