Os 6 erros que você não deve cometer na renegociação de dívidas

os-6-erros-que-voce-nao-deve-cometer-na-renegociacao-de-dividas.jpeg

 

Manejar dinheiro nunca é uma tarefa fácil, sempre tem uma situação na empresa que se precisa de mais empréstimos ou de uma renegociação de dívidas. Mas fazer esse tipo de negócio é preciso para fazer o comércio se desenvolver e garantir o lucro no final de todo mês.

O grande problema é que isso não pode ser feito de qualquer, é necessário ter muito cuidado com os compromissos que se assume, pois da mesma forma que pode garantir melhorias para o seu empreendimento, também é possível trazer ainda mais problemas ou até quebrar seu negócio.

Mas fique tranquilo! Porque todos seus problemas serão resolvidos com este artigo. Aqui você vai encontrar, de uma forma bem simples e clara, os 6 erros mais comuns de serem cometidos em uma renegociação de dívidas e como evitá-los. Após a leitura, você saberá exatamente como contornar qualquer situação parecida. Confira!

1. Não definir prioridades

Primeiramente, tenha em mente que o rendimento do negócio é a chave para colocar as contas em dia, de nada você pagar o que deve, porém não deixar dinheiro para que a empresa se mantenha ativa em suas transações.

Antes de renegociar uma dívida, organize uma planilha com suas dívidas, seus rendimentos, o dinheiro atual em caixa e o quanto é necessário para continuar negociando, estipule um valor mínimo que deve ser guardado fazer as comercializações da empresa. Vá pagando o que deve, porém sempre atento para não pagar além dessa quantia estipulada.

Também é importante lembrar de sempre pagar ou renegociar a dívida mais antiga primeiro, não será justo com o credor (pessoa que emprestou o dinheiro) e fará com que ele se sinta menos importante, prejudicando o vínculo de confiança entre vocês dois.

2. Não prestar atenção no prazo

Outro erro comum que muitos empresários não se atentam é em relação ao vencimento dos prazos. Se você fez uma dívida com um prazo muito longo, você poderá sair bastante prejudicado por causa das correções que podem ser aplicados.

Mesmo os juros pareçam baixos, mas o barato sairá caro, ela vai acabar sendo alta depois de alguns anos e você vai se assustar ao ver que o valor da dívida estará dobrado ou até triplicado. Uma dívida de 60 meses (5 anos) é considerada muito longo, o ideal é que você firma um contrato de um ano ou no máximo dois.

No momento da renegociação, sempre tente diminuir os prazos de pagamentos, assim você poderá se livrar dessa dívida rapidamente e arcará com menos pagamentos no futuro.

3. Optar por soluções milagrosas

Seja assistindo televisão, navegando pela internet, conversando com outros comerciantes ou até mesmo caminhando na rua, você encontrará indivíduos oferecendo soluções milagrosas para seus problemas financeiros, afirmando que se trata de uma oportunidade que pode trazer uma grande fortuna em pouquíssimo tempo.

A tentação é grande, mas lembre que são apenas oportunistas tentando tirar dinheiro de pessoas simples ou que precisam urgentemente de capital. Milagres não existem, todos seus ganhos vêm de muito esforço e dedicação, você deve encarar suas dívidas e trabalhar para se regularizar, no final a recompensa será muito mais vantajosa e agradável.

Não renegocie suas dívidas pensando que poderá recuperar a quantia rapidamente com essas ofertas que prometem dinheiro fácil, pois elas podem te colocar em uma situação pior do que se encontra

4. Fazer ainda mais dívidas

Quando você consegue renegociar suas dívidas, você estará livre para pedir novos empréstimos a bancos, porém isso não significa que seja uma boa ideia. O acúmulo de contas a pagar pode gerar um efeito cascata que tornará impossível o cumprimento de qualquer obrigação.

Se você deseja contrair novas dívidas, que sejam para garantir ainda mais lucro ao negócio, fazendo com que você seja capaz de quitar todas seus compromissos mais facilmente. Mas isso vai exigir que você tenha muita cautela e faça muitas contas.

5. Não ler as entrelinhas dos contratos

Se você for renegociar as dívidas com um banco ou um credor que te mostra um contrato enorme, complexo e cheio de entrelinhas. É importantíssimo que você preste atenção em cada linha do trato, pois é possível que existam cláusulas que aumentem muito o valor a ser pago. Os principais detalhes que você deve ficar atento antes de assinar o contrato são:

  • taxa de administração: valor pago como uma remuneração para quem cuida do empréstimo;
  • juros: porcentagem acrescentada à dívida, quanto mais longo for o prazo para quitar o pagamento, maior será o pagamento final;
  • correção monetária: atualização do valor de acordo com a inflação (o real perdeu valor e é preciso mais dinheiro para equiparar o pagamento;
  • multas: é possível que exista multa por atrasos;
  • crédito rotativo: valor pago a mais devido ao não pagamento total da dívida anterior.

Caso você ache que algum acréscimo seja abusivo, questione-a ou entre em contato com um expert na área para verificar se a lei permite que exista a cláusula.

6. Unir as contas pessoais com os do negócio

É muito comum que os comerciantes usem o dinheiro da empresa para pagar suas contas pessoais, como também tirar do próprio bolso para suprir as necessidades do comércio. Ao renegociar uma dívida, você pode pensar que conseguirá pagar se utilizar aquela quantia que estava guardando para outra ocasião pessoal ou pagar com parte do dinheiro da esposa.

Porém, nada disso é recomendado, é preciso pagar tudo com o próprio lucro gerado pelo seu negócio. Por essa razão você sempre deve se endividar pensando como aquele dinheiro pode fazer seu trabalho faturar ainda mais.

Ao se acostumar a misturar as contas, haverá um momento em que você terá que renunciar algo essencial para sua família, como despesas com saúde e educação. Isso é a última coisa que você deve fazer, pois você trabalha justamente para prover uma boa qualidade de vida aos seus entes queridos.

Pode-se concluir que se deve ter muita atenção na renegociação de dívidas, caso você seja descuidado, poderá arcar com ainda mais débitos e piorar sua situação financeira. Entretanto, com a leitura deste artigo, você estará muito mais seguro nas suas negociações, pois sabe exatamente quais erros não deve cometer!

Gostou desta publicação? Então assine nossa newsletter e receba periodicamente mais conteúdos informativos como este, é de graça!

Gerar boleto

Esteja sempre bem informado sem pagar nada!

Cadastre-se e receba um e-mail semanal com as últimas novidades do blog.